Araxá Esporte desvia dinheiro do Ministério do Esporte para pagar diretores e comissão técnica do time profissional

Araxá Esporte.No início deste ano recebi algumas denúncias sobre o projeto de categorias de base do Araxá Esporte. De acordo com essas denúncias, o projeto teria sido transformado no ano passado em um cabide de empregos para familiares de conselheiros do clube e para integrantes da imprensa esportiva araxaense. Desde então estou investigando as denúncias. Felizmente não encontrei nenhum membro da nossa imprensa esportiva recebendo salários na última edição do projeto, mas constatei que duas funcionárias realmente são esposas de conselheiros do Ganso. Porém, o que realmente chama a atenção na prestação de contas que me foi enviada pelo Ministério do Esporte é a quantidade de diretores do clube que receberam salários no projeto de categorias de base. Esses diretores foram registrados em funções que não exerceram no projeto. Tem até filho e esposa de diretores na lista de funcionários.

 

Antes que o internauta tenha alguma dúvida sobre os recursos utilizados na execução dos projetos de categorias de base do Araxá Esporte, quero esclarecer que trata-se de dinheiro público. O repasse realmente é feito pela CBMM, que desconta os valores nos impostos que paga ao Governo Federal. Isso só é possível mediante a autorização do Ministério do Esporte. A CBMM é digna de elogios por contribuir com esses projetos do Ganso, pois sem a sua boa vontade de repassar os recursos nada teria sido realizado. Como é dinheiro público que mantém os projetos, é interesse da população saber como os recursos são gastos e foi por isto que solicitei a prestação de contas referente ao projeto que começou em julho de 2012 e terminou em junho de 2013, período em que o time profissional viveu o sonho de participar da 1ª divisão do Campeonato Mineiro.

 

A primeira edição do projeto “A Base para a Formação Esportiva” captou R$ 2.115.050,20. Já a segunda edição do projeto teve a captação de R$ 2.074.250,59. A terceira edição do projeto, cuja prestação de contas eu recebi na semana passada do Ministério do Esporte depois de seis meses de espera, recebeu R$ 2.843.892,11. Esta edição foi executada entre 01/07/2012 e 30/06/2013. Junto com a terceira edição do projeto “A Base para a Formação Esportiva”, o Araxá Esporte conseguiu aprovar também o projeto “Araxá Formando Talentos no Futebol de Campo” e captou R$ 3.071.477,09. O projeto que está sendo realizado atualmente, em que existe apenas o time da categoria júnior, foi batizado de “Futuros Atletas Futebol de Campo Araxá” e recebeu R$ 1.450.000,00. No total, o Ganso já recebeu da CBMM para realizar todos esses cinco projetos a quantia de R$ 11.554.669,99.

 

Nesse último projeto, o “Futuros Atletas Futebol de Campo Araxá”, a diretoria do Ganso teve a aprovação do Ministério do Esporte para captar R$ 4.420.687, 92, mas a CBMM acertadamente decidiu atender também outras equipes e modalidades, e por isto repassou R$ 1.450.000,00 para o Araxá Esporte, que não conseguiu captar o restante. A captação para esse projeto pode ser feita até o dia 03/12/2014. O clube alvinegro também teve outro projeto aprovado pelo Ministério do Esporte para este ano. O projeto “Escolinha do Ganso” pode captar R$ 1.840.633,06 até o dia 20/11/2014, porém, não recebeu nenhum centavo até agora. Muito bem, depois de apresentar os valores que o Araxá Esporte recebeu nos últimos anos para as suas categorias de base, vou agora mostrar como foi gasto parte dos recursos do projeto “A Base para a Formação Esportiva – Ano III”, que como eu já disse começou em julho de 2012 e terminou em junho de 2013.

 Presidente Dailsom Lettieri esteve no Ministério do Esporte em 2011 para entregar a prestação de contas do projeto “A Base para a Formação Esportiva - Ano I”. Foto: Ascom Araxá Esporte.

De acordo com a prestação de contas apresentadas pelo clube ao Ministério Público, o diretor financeiro Hélio Alves de Souza Júnior (Carneirinho) foi registrado na função de coordenador técnico do projeto, com salário mensal de R$ 5 mil. Durante os 12 meses do projeto, ele recebeu R$ 60 mil de salários e gerou um gasto anual de R$ 31 mil com encargos trabalhistas. Carneirinho não exerceu a função de coordenador técnico do projeto. Esta função foi exercida na realidade pelo ex-jogador profissional Dedé Antunes. Além disso, a esposa de Carneirinho foi registrada no projeto como auxiliar de escritório. O time júnior do Ganso já teve alguns treinadores desde o início dos projetos de categorias de base, mas nenhum deles foi João Roberto Barreto (Badete), que está registrado na função de técnico de futebol dos juniores na “A Base para a Formação Esportiva – Ano III” com salário mensal de R$ 5 mil.

 

O treinador do time júnior durante esse projeto foi na verdade Gustavo Rodrigues, que não aparece na relação de 46 funcionários. Badete e Carneirinho tiveram os maiores salários do projeto, sendo que o gasto anual com os dois juntos, entre vencimentos e encargos trabalhistas, foi de R$ 182 mil. Um filho de Badete foi registrado no projeto como preparador físico. O diretor de futebol do Araxá Esporte durante a campanha do time na elite do futebol mineiro foi Marcelo Araxá, que iniciou os seus trabalhos ainda em 2012 e terminou em meados de 2013. Mesmo sendo o principal diretor do time profissional, Marcelo foi registrado no projeto da base como gerente administrativo, cujo salário mensal foi de R$ 3,5 mil. Os dois cargos de observadores técnicos do projeto, com salário mensal de R$ 1,5 mil para cada, foram preenchidos por César Valter Borges e Rubens da Silva (Rubinho), que na verdade era o supervisor do time profissional.

 

Consta na prestação de contas que o assessor de imprensa do projeto, com salário de R$ 1 mil, era Eudes Marques, mas quem enviava os releases sobre os times das categorias de base e fazia os contatos com a imprensa não era ele. O assessor, na prática, era Wilton Borges, cujo nome não consta na relação de funcionários. O presidente do clube, Dailsom Lettieri, cuja esposa tem um sobrinho registrado como fisioterapeuta, usou o dinheiro do projeto, que é público, para pagar salários de integrantes da comissão técnica do time profissional que disputou o Campeonato Mineiro da 1ª Divisão. Foram pagos o preparador de goleiros (R$ 1,5 mil), dois massagistas (R$1,5 mil cada), o fisiologista (R$ 2 mil), o médico (R$ 2 mil) e o fisioterapeuta (R$ 2 mil). São R$ 10,5 mil mensais para profissionais que prestavam serviços para o time profissional. Outro fato que chama a atenção é que o auxiliar de serviços gerais do clube, Osvaldo Gonzaga de Val, foi registrado no projeto de base como professor.

 

O advogado Jean Carlos Nogueira, que atua a favor do clube nas ações trabalhistas movidas por ex-jogadores, também recebeu salários no projeto. Foram R$ 2,5 mil mensais durante 12 meses. Esposas de dois conselheiros do Araxá Esporte exerceram as funções de dentista (R$ 2 mil) e pedagoga (R$ 1,8 mil) no projeto de base. Os garotos das categorias infantil, infanto-juvenil e júnior receberam ajudas de custo de R$ 200, R$ 300 e R$ 400, respectivamente. Foram 30 garotos em cada uma das três categorias. É bom lembrar que os dados e números apresentados são apenas do projeto “A Base para a Formação Esportiva – Ano III”. Não solicitei a prestação de contas dos outros três projetos encerrados porque as denúncias que recebi se referiam ao ano de 2013. Lembrando que ainda não existe prestação de contas do projeto de base que está sendo executado neste momento.

 

Que cada internauta tire agora as suas próprias conclusões de como o Araxá Esporte gastou o dinheiro público destinado a manter as suas categorias de base entre 2012 e 2013.

This entry was posted in Destaques, Esportes, Opinião. Bookmark the permalink.

12 Responses to Araxá Esporte desvia dinheiro do Ministério do Esporte para pagar diretores e comissão técnica do time profissional

  1. Pedro L. Alves disse:

    Com a palavra, a diretoria do AEC. Cadê a imprensa falada de Araxá? Será que os mesmos também não tiveram aí o seu quinhão? Intervenção do MP, JÁ!!!

  2. Paulo Adolfo disse:

    Araxá sempre soube disso, mas ninguém jamais quis interferir. pode ser que agora alguém se interesse pelo assunto, mas que é uma vergonha é.

  3. CARLA disse:

    O pior é que muita gente sabe até de mais coisas que isso tudo que foi dito na reportagem e continuam calados e colaborando pra essa situação deplóravel que se encontra o Clube,todos esses citados na reportagem continuam ganhando sálarios altos e alguns com certeza são fantasmas,e os que realmente fizeram e trabalharam pelo Araxá foram mandados embora e ainda pior com salário que não era tão gordo sem pagar,só aqui mesmo que todo mundo sabe e ninguem tem coragem para fazer uma denuncia formal no ministerio publico conta esses cidadãos por desvio de verba,isso é roubo.

  4. FRANCO disse:

    ACOs garotos das categorias infantil, infanto-juvenil e júnior receberam ajudas de custo de R$ 200, R$ 300 e R$ 400, respectivamente.

    Você teve o cuidado de calcular a equivalência de gastos por menino integrante do projeto, e o seu calculo resultou em R$ 5.000,00 por menino/mês
    Agora saiba o quanto eles pagaram de ajuda de custo para cada menino (Os garotos das categorias infantil, infanto-juvenil e júnior receberam ajudas de custo de R$ 200, R$ 300 e R$ 400, respectivamente).

    Ajude a acabar com esse crime denunciando junto a OUVIDORIA do Ministério dos Esportes. Afinal é dinheiro dos nosso Imposto de Renda que eles estão desviando para os seus próprios bolsos.

  5. Acleílson disse:

    Até que enfim alguém falou alguma coisa a respeito disso. Muitas pessoas da cidade sabiam disso à tempos.
    Existe muito sujeira nessa cúpula do AEC, que vai mais uma vez matar um time querido e amado por toda cidade, espantando as empresas que poderiam salvar sua existência mais uma vez. Porquê será que o digníssimo Presidente desistiu da política?

  6. ZE MARIO disse:

    ENGRAÇADO VC FAZ UMA DENUNCIA MUITO GRAVE, E DEPOIS DE CAUSE 24 HORAS NINGUEM DA IMPRESSA DE ARAXÁ FALA ALGUMA COISA.
    AQUI TEM DUAS RADIOS E ALGUNS BLOG E NINGUEM TEVE PEITO DE FALAR, AI EU TE PERGUNDO SERÁ PORQUE.
    PARABENS GERMANO VC DEMOSTROU QUE NÃO TEM RABO PRESO COM NINGUEM,E MOSTRA PARA NOS QUE E O VERDADEIRO JORNALISTA.
    QUANTO AÕ OUTROS [RADIOS E BLOG ] É MUITA DECEPÇÃO.
    CONTINUA SEMPRE FALAR A VERDADE. PARABENS

  7. ZE MARIO disse:

    E AI DAILSON,E AI CARNERINHO SEJA HOMEM QUAL SERA A RESPOSTA DE VCS.

  8. Henrique disse:

    Se há verba de ministério do esporte no Araxá Esporte e ela foi utilizada indevidamente, acho que tinha que ter investigação da POLÍCIA FEDERAL.

  9. Oliveira P disse:

    Se as informações estiverem corretas é mesmo caso de Policia ! A CBMM deve solicitar uma auditoria interna e independente no Ganso e parar de investir tanto dinheiro neste AEC até que tudo seja esclarecido. Vergonha !

  10. Maria do Carmo disse:

    ISSO É UMA VERGONHA!
    Parabéns, Germano.
    Excelente reportagem.

  11. FRANCO disse:

    Imaginar que o Dailson é um santo é o mesmo que imaginar que a raposa não ira mexer com as galinhas, estando ela dentro do galinheiro.
    Vejam só, captar R$ 4.420.687, 92 para cuidar de um numero de 90 meninos, alguém quer se aventurar e calcular quanto custou cada menino por mês dentro desse projeto?
    A CBMM precisa é parar de ajudar essa MAFIA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *