Todos contra a violência infantojuvenil

Nos próximos meses a Campanha Contra a Violência Infantojuvenil abordará diversos espectros da negligência e violência contra crianças e adolescentes. A iniciativa parte do trabalho em conjunto com o  Centro de Formação Profissional Julio Dário e o  Conselho Comunitário de Segurança Pública de Araxá (CONSEP) com  incentivo do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente,  com o apoio da Prefeitura Municipal de Araxá, Centro Universitário do Planalto de Araxá, Ministério Público, TV Integração, Policia Militar e Civil, TJMG e Agenda Comum Intersetorial.

 

Com o propósito de prevenir, orientar e informar sobre a prevenção e combate a todo tipo de violência infantojuvenil, a Campanha  abordará diversos aspectos  sobre violências que tem atingido crianças e adolescentes em nossa sociedade.

 

Em 2018, pesquisas e dados do Disque 100 – Serviço de Proteção a Crianças e Adolescentes – apontam mais de oito mil casos de violência física contra crianças e adolescentes; apenas no estado de Minas Gerais. Entende-se por violência física todo ato de utilizar da força física para machucar ou agredir uma pessoa, de forma intencional ou não.

 

Pesquisas semelhantes, revelam também outra triste realidade, o abuso sexual de crianças e adolescentes.  Números apontam que a maioria dos casos conhecidos ocorrem dentro da própria casa da vítima, onde ela é abusada ou explorada pelos próprios pais, familiares, padrastos ou amigos da família; muitas vezes, durante anos.

 

Indo além desses dois aspectos da violência contra crianças e adolescentes, a presente campanha tem ainda o objetivo de abordar outros temas igualmente importantes e que têm recebido poucos holofotes.

 

O abandono e a negligência, marcados pela ausência da figura paterna e materna como guardiões e protetores da criança, demonstra o descaso dos pais e responsáveis para com seus filhos, deixando-os serem educados pelo ambiente a que têm acesso, causando na vítima diversas dores psicológicas e, muitas vezes, aproximando-a do crime e das drogas.

 

O abandono digital, grande mal do século XXI, é uma das faces do abandono e da negligência de pais e responsáveis para com seus filhos. Caracterizado pela falta de controle dos pais na vida digital da criança e do adolescente, o abandono digital coloca a vítima diante de diversos perigos que se escondem dentro e fora da tela do celular e do computador.

 

A violência psicológica contra crianças costuma ser silenciosa e pode estender por anos e frequentemente, por não terem ainda a maturidade emocional para entender, podem nunca se dar conta do que sofreram ou podem achar que essa forma de tratar o outro é normal.

 

O abuso emocional acontece quando uma pessoa exerce uma espécie de poder sobre a outra e a faz se sentir diminuída, incapaz, negligenciada. Algumas formas de violência psicológica: humilhar, julgar, criticar em demasia, controlar, fazer passar vergonha ou sentir culpa.

 

Todos esses temas serão abordados ao longo da campanha que será veiculada a nível regional. A iniciativa produzirá publicações periódicas nas redes sociais, assim como ações publicitárias em vias públicas e em diversos meios de comunicação, com o propósito de diminuir o número de casos, incentivar a denúncia e reforçar o ambiente de segurança para crianças e jovens.

 

A campanha é uma extensão do projeto executado em 2018, que tinha como escopo, na época, o combate contra a violência sexual de crianças adolescentes.

 

Dessa vez a campanha retorna com mais força, ressaltando mais uma vez o valor de proteger e zelar pela integridade física e psicológica daqueles que irão nos suceder.

 

This entry was posted in Cidade. Bookmark the permalink.

Comments are closed.