#prontofalei – O caloteiro Governo de Minas e o pedido de impeachment

Fernando Pimentel.Restando apenas oito meses para o fim do seu mandato e já considerado um dos piores governadores de Minas Gerais, o petista Fernando Pimentel viu na última quinta-feira, dia 26, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais dar continuidade a um pedido de impeachment feito contra ele por um advogado. A motivação do pedido de impeachment de Pimentel foi a forma caloteira como ele governa o estado. Não é de hoje que o governo do petista atrasa repasses devidos às prefeituras mineiras e a fornecedores do estado, sendo que agora atrasou também o repasse à Assembleia de Minas.

 

Isso sem contar que o Governo de Minas paga os salários dos seus servidores em três parcelas há meses e só agora terminou de pagar o 13º salário de 2017 ao funcionalismo público. O governo do PT embolsou a parte que cabe aos municípios do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e os valores do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Isso fez com que grande parte dos 853 municípios mineiros enfrentasse enormes dificuldades financeiras para honrar os seus compromissos. Os prefeitos mineiros não podem nem ouvir falar o nome de Pimentel.

 

Recentemente o prefeito de Araxá, Aracely de Paula, denunciou um convênio firmado com o Governo de Minas no valor de R$ 6 milhões para a restauração asfáltica dos bairros da cidade. A Prefeitura de Araxá não viu a cor do dinheiro, pois a administração de Pimentel não repassou nenhum centavo referente ao convênio. Mais um calote do governo petista. Acusado de corrupção e réu na Justiça, Pimentel pode ter agora o mesmo fim que a sua correligionária Dilma Rousseff, que perdeu o mandato após um processo de impeachment.

 

Ainda na quinta-feira recebi uma nota enviada pelo Governo de Minas. A nota diz que o governo viu com estranheza a aceitação do pedido de impeachment de Pimentel e que dadas as graves crises financeira e político-institucional por que passa o país e a proximidade das eleições, não é momento para aventuras políticas que coloquem em risco a estabilidade conquistada em Minas Gerais. Que estabilidade? Um estado que não paga ninguém e parcela os salários dos seus servidores tem alguma estabilidade? Parece até brincadeira. Em que planeta vive o autor desta nota enviada à imprensa?

 

O desastroso governo da ex-presidente Dilma Rousseff, de quem Pimentel foi ministro, e a corrupção da quadrilha de colarinho branco, que é composta por políticos de praticamente todos os partidos, é que causaram as graves crises financeira e político-institucional citadas na nota do Governo de Minas. E é Dilma que está jogando Pimentel aos leões agora. O presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Adalclever Lopes (PMDB), só aceitou o pedido de impeachment contra o governador porque queria ser candidato a senador nas eleições deste ano na chapa de Pimentel.

 

Acontece que a direção nacional do PT decidiu que Dilma será candidata a senadora na chapa do governador e Adalclever foi colocado de lado. Além disso, o atraso no repasse de recursos à Assembleia enfureceu os deputados estaduais. Aliado de primeira hora de Pimentel, Adalclever não mostrou indignação com os atrasos de repasses aos municípios e nem com o parcelamento dos salários do funcionalismo. Mas foi só atrasar o repasse à Assembleia que Adalclever deu o grito, afinal os deputados receberam os seus salários atrasados.

 

Mesmo com todo o fiasco do seu governo, Pimentel vai tentar a reeleição para manter o foro privilegiado, pois se perder o mandato cairá nas mãos de um juiz de primeira instância. Se ele for cassado ao fim do processo de impeachment ficará inelegível. Mas não será nada fácil cassar o mandato de Pimentel, pois restam só oito meses para o seu fim. É pouco tempo. E o processo ainda não começou pra valer. O pedido aceito pela presidente da Assembleia será analisado agora por uma comissão especial que será composta por sete deputados estaduais.

 

Serão três deputados do bloco governista, dois de oposição e dois independentes. São esses deputados que decidirão se o processo de impeachment terá seguimento ou será arquivado. Como todo mundo sabe o posicionamento dos deputados governistas e de oposição, a decisão ficará mesmo é nas mãos dos independentes. Como estamos em ano de eleições, um deputado pode ter o seu objetivo de reeleição seriamente prejudicado no caso de votar a favor de um governador tão impopular e que demonstrou ser um desastre como gestor do estado.

 

Isso vale também se os 77 deputados mineiros tiverem que votar a cassação do mandato de Pimentel, no caso do processo ter andamento na Assembleia. Qual deputado vai querer se desgastar com o eleitorado às vésperas das eleições? O governador está em maus lençóis. Essa situação deve estar sendo bastante comemorada pelo PSDB e demais partidos de oposição. Porém, ninguém é bobo. A calamidade financeira de Minas Gerais começou com o PSDB no governo e foi agravada pelo PT. Os tucanos têm culpa no cartório pelas dificuldades vividas hoje no estado.

 

Aécio Neves e Eduardo Azeredo, que tanto foram bajulados em Minas quando estavam no poder, são o retrato do PSDB. O primeiro é réu no Supremo Tribunal Federal (ST) pelo crime de corrupção e o segundo pode ser preso a qualquer momento para cumprir uma pena de mais de 20 anos de prisão pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. Os cofres públicos do Governo do Estado estão vazios por causa do PSDB e do PT. Ninguém é santo nesta história não.

 

Um provável impeachment de Pimentel é benéfico para Araxá, afinal ele quer vender parte da Codemig para pagar as dívidas do seu governo neste ano eleitoral. Quer usar o dinheiro do nosso solo para facilitar a sua reeleição. É melhor mesmo que ele saia o quanto antes para não prejudicar ainda mais a nossa cidade. #GovernoCaloteiro 

 

Coluna #prontofalei publicada na edição nº 3708 do Correio de Araxá em 28 de abril de 2018

 

Foto: Reprodução/Correio de Araxá.

This entry was posted in #prontofalei, Destaques. Bookmark the permalink.

Comments are closed.