Prefeitura reestrutura rede odontológica com aquisição de novos equipamentos

Foto: Ascom PMA.Aumento da produtividade, melhores condições técnicas de trabalho e a satisfação de pacientes. A Prefeitura de Araxá iniciou uma reestruturação da rede municipal odontológica. Foram adquiridos dezesseis consultórios completos e oito compressores de ar com recursos provenientes de emendas parlamentares destinadas às unidades básicas de saúde (parte de odontologia e de saúde em geral). As verbas foram repassadas pelo deputado federal Mário Heringer e o prefeito Aracely de Paula, enquanto era parlamentar. 

 

Os novos equipamentos são destinados à Rede Básica de Atendimento, ligada ao Sistema Único de Saúde (SUS): Estratégia da Saúde da Família Santa Luzia, Unioeste, Unicentro, Uninordeste, Unisa, Unileste, Unisul e Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Além dos compressores de ar, cada consultório inclui cadeira odontológica com kart de pontas, refletor, unidade auxiliar (cuspideira), caixa de comando e equipo odontológico.

 

Foto: Ascom PMA.O coordenador do departamento de odontologia da Prefeitura, Márcio de Paula, afirma que as melhorias vão refletir diretamente na produtividade com a oferta de melhores condições técnicas. “Temos que notar que os aparelhos têm uma vida útil e, que com o decorrer do tempo, diminui muito a produtividade, pois automaticamente começam a surgir os problemas técnicos, elétricos e vários outros que são naturais das peças. Ao reformar toda a rede, que é nosso interesse, primeiro teremos uma padronização visual, todos equipamentos são novos e isso humanizará tanto para o paciente quanto para o profissional, que terá um ambiente mais digno para o exercício da atividade”, afirma o coordenador.

 

Ainda segundo Márcio de Paula, a renovação dos equipamentos nas unidades atende um critério de prioridade e ocorre gradativamente. “O consultório tem que ir primeiramente onde está sendo exigido naquele instante. Muitas vezes temos que agir dentro de uma logística. Estando com equipamentos novos em locais onde o atendimento é maior e aqueles em bom estado de uso sendo deslocado para unidades onde a demanda é menor”, explica.

 

This entry was posted in +, Cidade, Saúde. Bookmark the permalink.

Comments are closed.