Coluna Nilton Ribeiro – Estimulação nas atividades do dia a dia

Foto: Divulgação.Estimular é ensinar, motivar, aproveitar objetos e situações e transformando-os em conhecimento e aprendizagem. É levar a criança, através da brincadeira, a aprender sempre mais. Pode parecer complicado, mas não é. Basta acreditar que o bebê vai aprender e ter vontade de ensinar. Fazer a estimulação na criança é essencial para o seu desenvolvimento e para a aquisição de capacidades. Vou orientar alguns exercícios de estimulação que podem ser feitos durante as atividades do dia a dia. 

 

Começo orientando sobre a hora do banho. Neste momento, você pode estimular o bebê com movimentos de pressão sobre os braços e as pernas. Você pode fazer também movimento circulares sobre a barriga sobre a barriga do bebê e, movimentos de pressão com a palma da mão de cima para baixo nas costas. Isso ajuda o bebê a conhecer melhor o seu próprio corpo e também a inibir alguns reflexos primitivos que toda criança apresenta ao nascimento. 

 

Na hora de vestir o bebê, por exemplo, dê sempre preferência a roupas com abertura frontal ou com abertura nos ombros e, que passem facilmente pela cabeça. Isso evita movimentos bruscos com os membros superiores e inferiores. 

 

Foto: Divulgação.Uma orientação bastante importante é na hora de carregar o bebê. É sempre importante colocá-lo sobre os braços do lado direito e do lado esquerdo de quem está carregando, alternando sempre que possível os lados. A cabeça deve ficar bem apoiada e alinhada com o corpo enquanto ele não conseguir sustentá-la. Quando o bebê conseguir sustentar sua cabeça, é possível carregá-lo em “cadeirinha” (uma mão apoiada ao peito da criança e a outra por debaixo do bumbum), para que ele possa olhar o ambiente de frente e interagir melhor com as pessoas que irão se aproximar.

 

Evite carregar seu bebê com as pernas abraçadas ao seu corpo, pois alguns estudos sugerem que esta postura, pode ocasionar alterações coxo-femoral (quadril e pernas). Os braços dele devem ficar livres e as pernas, fechadas para uma melhor interação com o ambiente que estiver. A regra também vale para quando o bebê não estiver no colo. Portanto, sempre que puder, mude a posição dele diversas vezes para estimulá-lo. 

 

Vamos falar agora sobre uma questão que tem causado dúvidas e espanto aos pais e cuidadores sobre quando aplicá-la.  Estou falando sobre a imposição de limites. Toda criança, independente de se ter 3 meses de vida, ou 2 anos de idade, precisa de limites. A dúvida tem surgido por que muitos pais não sabem ao certo se a criança está entendo o que eles impõem, ou na maioria das vezes acabam super protegendo seus filhos e por conseqüência acabam perdendo a autoridade sobre eles. Por isso, afirmo, não tenham medo de dizer “não” firmemente quando for necessário. Toda criança desde ao nascimento, já consegue compreender perfeitamente o que se pode e quando pode. Quando os bebês choram para mamar, trocar fraldas, etc. eles estão nos dizendo do jeito que eles sabem que estão com fome, não querem ficar deitados, ou querem dormir, por exemplo. Ou seja, eles começam a perceber a forma de se comunicar com conosco e acabam aprendendo que com o choro, ou birra, eles irão conseguir o que querem. 

 

Motivar seu filho e incentivá-lo a brincar com outras crianças sempre que puder, é uma forma de estimulação muito importante. As crianças aprendem observando e imitando os outros, e é mais fácil aprender com outras crianças da mesma idade como se comportar adequadamente. 

 

Foto: Divulgação.Quando o bebê já estiver andando, procure não facilitar seu caminho retirando móveis ou objetos do caminho que eles irão passar. Aproveitar os desafios que os brinquedos e objetos impõem a criança, trará sempre resultados importantes durante o seu desenvolvimento. Claro que devemos sempre ficar atentos para não ocorrer nenhum acidente. Dificuldades fazem parte da rotina de todos nós, e esse será um aprendizado valioso para ele e para vocês. 

 

A criança pode ser incentivada a correr através de diversas brincadeiras que proporcionará a eles conhecimentos diversos como o pular e saltar. O pular também poderá ser estimulado com uma cama elástica, primeiro com apoio das mãos, depois sem as mãos. Mas atenção, qualquer brincadeira que possa provocar movimentos bruscos de cabeça deve ser evitada se a criança não tiver o controle da cabeça e tronco por completo e essa estimulação deverá ser sempre feita com um adulto por perto. 

 

Por fim, termino orientando, uma brincadeira que encanta as crianças e que não damos muita atenção: o espelho. Deixe que a criança tenha contato com o espelho e que possa se ver de corpo inteiro para que ela possa ganhar consciência corporal e descobrir feições (sorriso, beijo, tchau). Essa brincadeira fica mais interessante quando pais ou cuidadores interagem com a criança. 

 

A maior parte dos programas de estimulação precoce é dirigida a crianças de 0 a 3 anos. Para que você possa ter alguns parâmetros, é sempre bom a criança ser acompanhada por um pediatra, pois qualquer alteração motora, sensorial, percebida por ele, a criança será encaminhada para um fisioterapeuta, ou terapeuta ocupacional. Não posso deixar de mencionar também que é importante não fixar idades para a aquisição de habilidades, pois há grande variação no desenvolvimento das crianças, especialmente as que nascem com alguma síndrome ou nascem prematuras. Agora, é só brincar e estimular.

Nilton Ribeiro. Foto: Divulgação.Nilton Ribeiro Junior 

Fisioterapeuta pediátrico no Centro de Atendimento a Criança (CAC). 

Fisioterapeuta responsável pelo GEPE (Grupo de Estimulação Precoce Essencial) e pela avaliação Neuropsicomotora e acompanhamento de bebês de risco. 

Fisioterapeuta no Centro de Especialização e Reabilitação de Araxá-MG/APAE (CER)

This entry was posted in +, Colunistas, Nilton Ribeiro. Bookmark the permalink.

Comments are closed.