Segurança de Araxá é destaque em matéria de capa do Estado de Minas

Divulgação.A edição deste domingo, dia 11, do jornal Estado de Minas, de belo Horizonte, destacou em sua matéria de capa o fato de Araxá ter sido considerada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) a cidade de Minas Gerais com a menor taxa de homicídios entre aquelas com mais de 100 mil habitantes. A pesquisa do Ipea apontou ainda que Araxá é a 5ª cidade do Brasil com a menor taxa de homicídios. Confira a matéria do Estado de Minas:

 

Segurança pública de Araxá faz jogo duro contra o tráfico

 

Araxá – Uma cidade vigiada por dezenas de câmeras. É de uma sala da Secretaria Municipal de Segurança Pública que servidores da prefeitura e policiais militares acompanham o que ocorre nos espaços públicos de Araxá, no Alto Paranaíba, com cerca de 110 mil moradores e considerada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) o município com a menor taxa de homicídios entre aqueles com mais de 100 mil habitantes em Minas Gerais. Numa espécie de Big Brother Brasil, as 33 câmeras flagram movimentos de moradores e turistas. E o número vai aumentar em breve.

 

Central de Videomonitoramento da Prefeitura de Araxá fica atenta a qualquer movimentação estranha. (foto: Beto Novaes/EM/DA Press)

Central de Videomonitoramento da Prefeitura de Araxá fica atenta a qualquer movimentação estranha. (foto: Beto Novaes/EM/DA Press)

Quem avisa é o secretário municipal de Segurança Pública, o ex-delegado regional da Polícia Civil Élvio Bertoni: “Estamos com um projeto para adquirir mais 22 aparelhos”. A instalação dos novos equipamentos leva em conta opiniões do Conselho Comunitário de Segurança Pública e instituições parceiras, como a PM. O chefe da corporação na cidade, o tenente-coronel Fernando Reis, explica como Araxá conseguiu ter a taxa mais branda de homicídios em Minas: “Tolerância zero com o tráfico”.

 

O mercado ilegal de entorpecentes, destaca o oficial, é o principal problema na cidade. “Fazemos um enfrentamento intenso contra o tráfico. No primeiro quadrimestre deste ano, por exemplo, mais que dobramos o número de prisões de envolvidos com esse crime.” Mas não basta retirar de cena os traficantes. O ideal é afugentar as pessoas do primeiro contato com as drogas. Por isso, a PM local criou o projeto Arte e Prevenção.

 

O programa distribui cartilhas que mostram o quanto o consumo de entorpecentes pode levar a pessoa para o mau caminho. A cereja do projeto é uma peça teatral, encenada pelos próprios militares, alertando alunos para o quanto as drogas podem destruir famílias. “A história é impactante. O personagem principal morre no fim”, adianta o tenente-coronel.

 

Secretário de Segurança Pública de Araxá, Élvio Bertoni.(foto: Beto Novaes/EM/DA Press)

Secretário de Segurança Pública de Araxá, Élvio Bertoni.(foto: Beto Novaes/EM/DA Press)

SEGURANÇA EFETIVA O resultado do estudo do Ipea levou os governantes de Araxá, conhecida nacionalmente por ter sido a região em que dona Beja viveu a maior parte do tempo (ela nasceu em Formiga, no Centro-Oeste de Minas), a planejarem manter o título de cidade com a menor taxa de homicídios no estado nos próximos anos. Uma das apostas da prefeitura pretende é a implantação da Guarda Municipal.

 

“Cidade que não tem segurança afugenta o investidor e atrai bandido”, justifica o prefeito, Aracely de Paula. Enquanto a corporação não sai do papel, a vigilância é reforçada com equipes de servidores municipais que rondam prédios públicos. Quando os funcionários avistam pessoas suspeitas, entram em contato com a PM. “São agentes fardados, que trabalham em conjunto com os militares em eventos, por exemplo, de perturbação do sossego.”

 

Vanderlei Avelino Silva com a namorada, Lorena Valeriano. (foto: Beto Novaes/EM/DA Press)

Vanderlei Avelino Silva com a namorada, Lorena Valeriano. (foto: Beto Novaes/EM/DA Press)

A baixa criminalidade na cidade agradou o carioca Vanderlei Avelino Silva, de 47 anos. Ele se mudou para Araxá no início da década: “Gosto daqui porque a violência é baixa”. A namorada dele, Lorena Valeriano, de 34, é natural da cidade e reforça a opinião do rapaz: “É difícil a gente ver violência como em outras cidades do mesmo porte”.

 

De acordo com a Secretaria de Estado de Segurança Pública de Minas Gerais (Sesp), ocorreram dois homicídios em Araxá no primeiro quadrimestre de 2017. No mesmo período do ano anterior foram três mortes. Em todo ano passado, nove registros.

Divulgação.

 

Matéria: Paulo Henrique Lobato/Estado de Minas

This entry was posted in Cidade, Destaques, Segurança Pública. Bookmark the permalink.

Comments are closed.