#prontofalei – Lula, FHC, Dilma, Aécio, delações e a Lista de Janot

Imagem ilustrativa.Esta não foi uma semana nada santa em Brasília. Aliás, nenhuma semana é santa na capital federal. A divulgação da tão esperada Lista de Janot mostrou o que todas as pessoas que não são fanáticas já sabiam. Existe sim algo em comum entre PT, PSDB, PMDB e quase todos os partidos políticos do nosso país: a corrupção. A lista de políticos supostamente envolvidos em corrupção entregue no mês passado ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, é fruto da “Delação do Fim do Mundo”, que na verdade são as delações de dezenas de executivos da empreiteira Odebrecht.

 

Ao ver a lista com os principais nomes da política fiquei com a impressão de que quem governa o Brasil desde 1985, quando aconteceu a redemocratização do país, é a Odebrecht. É muita propina distribuída para políticos de esquerda, direita, centro ou em cima do muro. A ideologia partidária de todos é simplesmente usar dinheiro sujo para se manter no poder. O ministro Edson Fachin, do STF, autorizou que 8 ministros, 3 governadores, 24 senadores e 39 deputados federais sejam investigados por corrupção, lavagem de dinheiro e outros crimes. Porém, o número de políticos citados nas delações da Odebrecht é muito maior. Só de governadores são 12 citados, incluindo o de Minas Gerais, Fernando Pimentel.

 

Os presidentes do Senado, Eunício Oliveira, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, serão investigados pela Procuradoria-Geral da República. Dois políticos suspeitos de estarem atolados até o pescoço na lama da corrupção comandam as duas casas de leis que podem ferrar de vez com a vida do povo brasileiro aprovando as indecentes reformas trabalhista e da Previdência propostas pelo presidente-tampão Michel Temer. Aliás, Temer só não está na lista porque presidente tem imunidade temporária e não pode ser investigado por crimes que não aconteceram no exercício do mandato. Ele, assim como muita gente do seu PMDB, foi citado nas delações da Odebrecht.

 

E falando em Temer, são oito os ministros do seu governo que serão investigados. Somando esses oito aos ex-ministros que já caíram anteriormente por suspeita de corrupção, podemos concluir que o presidente-tampão não montou um Ministério e sim uma quadrilha. Dos ex-presidentes da República de 1985 pra cá eu só não tinha visto quando escrevi esta coluna o nome de José Sarney, que em tempos de reforma da Previdência briga na Justiça para manter a sua super aposentadoria de R$ 73 mil. Os demais (Fernando Collor, FHC, Lula e Dilma Rousseff) foram citados pelos delatores. Uma galeria de ex-presidentes que certamente não é motivo nenhum de orgulho para o país.

 

A divulgação da Lista de Janot mostrou como são ridículas as discussões entre fanáticos nas redes sociais de que “o meu político é mais honesto do que o seu”. A eterna briga entre coxinhas e petralhas nada mais é do que um punhado de alienados defendendo os seus corruptos de estimação. Você votou na Dilma? Votou no Aécio? Brigou com algum amigo por causa de alguma discussão na eleição presidencial de 2014? Que coisa hein. Ficou sem o amigo e agora está vendo os dois sendo citados por empreiteiros que irrigaram as suas campanhas eleitorais com dinheiro desviado do nosso bolso. Valeu a pena?

 

O senador Aécio Neves será alvo de cinco inquéritos. É o recordista da Lista de Janot ao lado do também senador Romero Jucá, que é um dos ex-ministros de Temer que já caíram por suspeita de envolvimento em corrupção. Ex-governador de Minas Gerais, Aécio quase foi eleito presidente da República em 2014. Agora não deve ser nem reeleito para o Senado em 2018. Foi no governo de Aécio que o Governo de Minas construiu a Cidade Administrativa em Belo Horizonte utilizando R$ 2 bilhões da Codemig, cujos cofres são abastecidos com o dinheiro proveniente da mineração de Araxá.

 

O ex-presidente da Codemig, Oswaldo Borges da Costa, está na Lista de Janot e também será investigado. Tudo leva a crer que o dinheiro de Araxá, que poderia ter sido investigado em nossa cidade, foi parar no bolso de políticos corruptos durante a construção da Cidade Administrativa. Quem ainda acha que a corrupção exibida diariamente no Jornal Nacional não nos atinge aqui no interior de Minas Gerais pode rever os seus conceitos. É dinheiro do povo de Araxá que foi usado para pagar propina a políticos que têm como hábito fazer campanhas eleitorais com dinheiro sujo. Araxá foi diretamente atingida com a corrupção na construção da suntuosa Cidade Administrativa do Governo do Estado. Os araxaenses foram assaltados.

 

Lula, FHC, Dilma, Aécio, Serra, Temer, Alckmin, Color, Zé Dirceu, Pimentel e até Antônio Anastasia. De acordo com as delações da Odebrecht são todos farinha do mesmo saco. Diante de tanta coisa ruim acontecendo na política brasileira, a esperança é que 2018 seja o início de uma nova era. O Brasil vai eleger presidente, governadores, senadores e deputados no ano que vem. Será a oportunidade que o povo brasileiro terá para excluir da vida pública todos os políticos envolvidos em corrupção. É preciso aprender a votar para mudar o Brasil. Mas aprender a votar não é dar crédito para políticos do naipe do desqualificado Jair Bolsonaro, que passou a semana inteira comemorando o fato de não estar entre os investigados. Como se honestidade não fosse uma obrigação para todos nós. É cada uma. #ListadeJanot

 

Coluna #prontofalei publicada na edição nº 3654 do Correio de Araxá em 15 de abril de 2017

 

Foto: Reprodução/Correio de Araxá.

This entry was posted in #prontofalei, Destaques, Opinião. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *