Lideranças debatem com a Copasa a comercialização da Água Mineral Araxá

Aconteceu ontem em Belo Horizonte uma reunião entre o presidente da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), Ricardo Simões, e lideranças políticas e empresariais de Araxá. A pauta dessa reunião foi a Água Mineral Araxá e por isto diretores da subsidiária Águas Minerais de Minas também estiveram presentes. Os araxaenses levaram até os representantes da Copasa as reclamações sobre as dificuldades encontradas para comercializar em nosso município a água que leva o nome da cidade. Os representantes de Araxá propuseram que a Água Mineral Araxá seja comercializada também em copos e não somente e garrafas de meio litro e um litro e meio.


A nossa cidade foi representada pelo deputado estadual Bosco, vereador Sargento Amiton, Eduardo Tannús (presidente do Conselho Municipal de Turismo – Comtur), Emílio Neumann (Presidente do Sindicato do Comércio – SindiComércio) e Mauro Rocha (representante da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Parcerias), que debateram com Ricardo Simões a distribuição da Água Mineral Araxá e a necessidade do fortalecimento da sua marca no mercado. O presidente da Copasa admitiu que a comercialização da água é o grande problema enfrentado pela empresa.


Ricardo Simões agendou a vista técnica de diretores da Copasa a Araxá entre os dias 9 e 13 de setembro e determinou uma reavaliação das pesquisas de mercado apara a elaboração de novas estratégias. Essa reunião entre as lideranças políticas e empresariais do nosso município com o presidente da Copasa foi muito importante para mostrar que Araxá está preocupada com a água mineral que leva o nome da cidade e não aceita a forma como o produto está sendo comercializado e distribuído. Mudanças são necessárias e espero que elas aconteçam realmente. A Água Mineral Araxá tem potencial para conquistar o mercado, mas para que isto aconteça são necessárias estratégias mais profissionais e agressivas da subsidiária Águas Minerais de Minas.


This entry was posted in Cidade, Econômia. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *